80’s

29 04 2009

Hoje, durante uma conversa, dizia uma amiga, que por vezes no núcleo de amizades dela, lhe diziam que deveria actualizar-se, que parecia que tinha ficado parada nos anos 80, pois bem, eu digo que bom poder parar o tempo nos anos 80, e como que por magia, ao cair da noite, na companhia dos amigos de fim de dia, pelo som do bar começam a desfilar sons dos 80’s, e que boas recordações me trouxeram.

Para ti amiga, deixo um dos barulhinhos dos 80’s que mais me marcaram, espero que gostes, e, quando te voltarem a dizer que ficaste parada nesses bons anos, diz-lhes que foram de boa colheita, e recorda os barulhinhos que ainda hoje nos satisfazem.





Um exemplo de coragem

24 04 2009

As palavras nunca serão muitas para descrever este exemplo de coragem e de talento.

Arrepia só de ouvir, mas o mais emocionante é a forma como ao olharmos para a capa de um livro, nunca podermos dizer qual o seu conteudo.

Todos naquela plateia foram cínicos, até eu, confesso, mas no final todos ficaram impresionados, também eu. Vale a pena ver e aprender a maior das lições, HUMILDADE.





Tecendo a vida

18 04 2009

Por vezes, e não são tão poucas quanto isso, a vida enreda-nos em teias que não as nossas, são teias construídas por outras aranhas, as quais nos vão cruzando os passos que damos nesta caminhada pela vida. E tal como o animal fora do seu habitat, também nós nos sentimos meios perdidos e confusos, não entendemos a linguagem que nos vai envolvendo, nem tão pouco nos identificamos com preceitos e conceitos de vida, aos quais não nos adequamos.

E, nesta demanda por acompanhar o tempo que nos envolve, esforçamo-nos por enquadrar uma moldura que não é nossa, repuxamos os conceitos que são nossos e tentamos que as peças do puzzle encaixem, mas não encaixam, os moldes são diferentes, a massa das peças é outra, e em boa verdade, nem sequer nos esforçamos em forçar as peças.

É então, que conscientemente, nos mudamos, procuramos a teia que tecemos, e por muito longe que esteja, por muito solitária que se encontre, é a nossa teia, aquela que desde muito cedo fomos tecendo, que ainda muito falta para tecer, e, onde realmente nos movemos à vontade, onde nos sentimos no nosso habitat, aí sim somos nós, e não aquilo que outros pretendem que sejamos. A nossa teia.





O virar da Vida

5 04 2009

“O meu passado é tudo quanto não consegui ser. Nem as sensações de momentos idos me são saudosas: o que se sente exige o momento; passado este, há um virar de página e a história continua, mas não o texto.”

Fernando Pessoa In ” O Livro do Desassossego”





Quelqu’un m’a dit

4 04 2009

quelquun

Quando alguém me disser

Espero poder dizer como

É que alguém me disse

Que alguém me ama.

E quero cantar o que

alguém me disse de

alguém que me ama

com o prazer de dizer

Alguém me ama.

É nessa melodia que

alguém irá ouvir

direi a todos que

alguém me ama.





Daddy’s Little Girl

1 04 2009

para-a-filha

És o ar que me insufla e me faz viver

Minha Íris que me permite ver

Em Ti o arco-íris da minha vida

Meu Sol de verão que dá cor à vida

Minha saudade diária

Minha pérola viva

Minha Filha





Falar Bem

1 04 2009

Vale a pena perder cerca de oito minutos a ouvirem, para quem é professor não será novidade, para quem é pai de estudante é esclarecedor, assim vai a educação neste jardim murcho à beira mar implantado.